Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arroz Doce e Canela

Arroz Doce, trata-se de um Blog com o objectivo de ser lido, tal como todos os outros... Mas o que distingue este mero espaço cibernético dos restantes é basicamente o facto do autor ser um bocado, digamos... esquisito... Mas que gosta de vós!!

O Fogo

Parece que tudo não passa de testes de paciência, sempre colocados à prova vamos vivendo com armas na mão sempre preparadas para aleijar alguém. É um mundo de loucos onde vivemos. O problema é termos loucos demasiado românticos em vez de apaixonados. Uns ferem pela sua causa, outros tentam criar algo belo para os outros. Do que vale o sentimento... Do que vale a vontade... Atiram pedras em desertos de altas temperaturas, gritam em coliseus sedentos de morte, torturam em campos de concentração... Destroem a felicidade só por mera vontade... Do que vale formar sociedades repletas de valores e normas se a ética está tresloucada?! O bem e o mal não estão definidos, quando um age como quer e ainda afirma ter liberdade para tal, onde é que pode existir liberdade se esta é só para alguns, se esta é só para aqueles que afirmam ter uma moral melhor que todos? Do que vale chamarmos de sociedade se cada um desrespeita aquilo que ela defende? Encho-me de perguntas quando estas são inúteis para serem respondidas... Do que vale o esforço... A estupidez regula o meu mundo e onde eu vejo as cores da liberdade fortemente defendidas, não passa tudo de uma farsa para aqueles que querem agir como querem sem pensar no próximo, vivemos com armas de guerra, somos condicionados por monstros de enorme traquejo, tornam-nos em fogo... Agora só falta distinguir qual o fogo que aquece e qual o fogo que queima.

Quem Somos Realmente?

Olá. Para cada reflexão procura-se sempre uma resposta, sendo ela realizável ou não, queremos sempre uma resposta. O nosso pensamento pode ser um modo de fuga, um escape da realidade ou uma âncora que nos prende demais à gravidade do peso da vida. Pensar nunca é em vão. Pensar molda-nos e molda-os.

Não sou excepção, por vezes decido pairar na minha mente e nas estantes procuro um problema e tento simplifica-lo ou mesmo chegar a uma conclusão e enquanto penso o que será da Humanidade, surge um espelho à minha frente onde consigo ver uma reflexão exacta daquilo que sou e nisto surge uma pergunta, "quem sou eu?". Não se trata de amnésia pura, pois tenho a noção da minha identidade, mas de certa forma não sinto genuidade naquilo que vejo, é um sensação estranha.

Sei que, individualmente, só me desenvolvi a nível físico, tudo o resto com com influência ou ajuda de alguém. É assim com toda a gente, não sou nenhum caso especial. Mas isso deixa-me a meditar, como podem exigir de mim originalidade se não passo de uma mistura de valores e mentalidades que me foram impostas? Sei que não existe ninguém como eu, mas mesmo assim não me sinto genuíno.

Felizmente mantenho a calma, tudo à minha volta é resultado de cruzamentos, tenho noção disso. Começo a pensar quem é que me transformou naquilo que sou... "Família e Amigos" são as primeiras coisas que me vêm à cabeça, mas depois surgem "Filmes, Séries, Jogos, Marcas" todos estes e muitos mais criaram esta pessoa que agora escreve num ritmo filosofal. É incrível como estamos tão controlados pela sociedade. Eles conseguem fazer-nos naquilo que bem entenderem sem darmos por tal, isso deixa em mim algum receio...  "Serei mesmo eu aquilo que penso que sou?"

No entanto, não me arrependo de nada e, sinceramente, agradeço por me terem moldado desta forma. Sou feliz como sou, ou estarei iludido a pensar desta forma... Mas nada temo, sei que o tempo deixa-me experiência para seguir aquilo que desejo ser e alcançar, apenas tenho de me manter informado e não deixar-me levar por outros que desejam transformar-me para proveito próprio. Custa-me acreditar mas sei que se trata de uma grande verdade. Vivemos na palma da mão da Sociedade e assim será sempre, com valores e normas a cumprir, podemos escolher o nosso caminho mas Eles deixam os limites definidos.

Agradeço a todos que me fizeram naquilo que sou hoje, sei que não caminho sozinho e que estarão a acompanhar-me até ao fim.

Clima Bipolar

Oláá!! Brrr, apre! Como tem estado frio ultimamente, os ossos até doem de estarem tão gelados, as camas de manhã são os sítios mais confortáveis do mundo e as pessoas andam nas ruas todas enchouriçadas de roupas, só não sei se são farinheiras ou alheiras.

A razão para o título deste post é muito simples, só circula nas notícias que Portugal está a sofrer de um clima polar, se esse fosse só o problema estamos todos descansadinhos! Os noticiários andam descontrolados, parecem uma telenovela, existem sempre diversos temas centrais, a PT foi para o bolso da Altice, o Sócrates está em maus lençóis (peço desculpa aos lençóis da prisão de Évora) e já para não falar da favorita, o caso BES, que agora se parece uma pizza, cada uma está a tirar a sua fatia.

O verdadeiro clima em Portugal não é polar, é Bipolar! Cada dia com a sua personalidade, não conseguimos prever qual vai sar o caso que irá ter uma nova descoberta, quanto ao frio estamos decididos, é só vestir mais roupa por cima, mas nas notícias, quando esperamos ver como será o negócio da PT, atiram-nos com Sócrates, quando nos sentamos ao sofá e aconchegamo-nos para vermos o Novo Banco ser levado por chineses, Pimbas, levamos com mais uma de Sócrates! Raios partam ao Sócrates!!!

Agasalha-te bem, uma constipação bipolar é capaz de ser chata, eu nunca tive uma e felizmente já tenho 3 camisolas vestidas mais um casaco que me ajudam a proteger-me disso tudo, agora se não se importam vou ver o que está a dar na RTP, aposto que o Sócrates está a tramar alguma... Bolas! Está a dar o Croquete a falar o BES (o croquete é um salgado, eh eh).

Fig1. Sócrates Brincalhão

 

 

Parece um "Sketch"

Epááá!!! Desculpa, enganei-me, Olááá!! Parece que o humor em Portugal está a desenvolver-se, o que é óptimo visto que eu adoro rir e fazer rir também, já não era sem tempo que todos os profissionais no mundo da gargalhada tivessem mais acontecimentos propícios a galhofas num país "simbolixado" por tristeza.

Já lá vai um longo tempo desde que vejo um fenómeno ser retratado nos noticiários com alguma frequência, estou a falar sobre a problemática que existe em Canelas (o plural daquilo que se mete no arroz doce) relativamente à substituição de um padre, a paróquia está revoltada e exige sermões religiosos daquele que já estava lá antes.

Aviso desde já que não sou crente, não sigo nenhuma religião nem defendo nenhuma fé mas respeito aqueles que têm crenças, pois não sou superior a ninguém para menosprezar ou ridicularizar outras filosofias da vida.

Claro que existe um teor de notícia relativamente a este acontecimento em Canelas, mas este estar a ser passado na televisão já à tanto tempo, parece que serve só para encher chouriços. É mais que óbvio que a região de Canelas é extremamente crente, ao ponto de fazer grandes manifestações por um padre. O que fez este senhor para ser substituído? Está castigado por ter recusado a construção de uma estátua junto à sua igreja.

Porque é que acho cómica esta situação? (Porque é que continuo a fazer perguntas a mim mesmo?) Ora estas notícias fazem-me lembrar os tempos do Gato Fedorento, ou até mesmo o Telerural, pois são personagens características, tenho a certeza que se existisse um grupo humorístico famoso a dar em horário nobre da televisão, este tema seria muito bem desenvolvido!!

Eu espero que Canelas, uma cidade com um nome muito apreciado pelo meu Blog, consiga o que quer, visto que é um castigo algo ridículo, mas gostaria um pouco de mais notícias sobre o BES ou da JMF se faz favor, ou até mesmo falarem no jogo espectacular que a seleção de futebol teve contra a argentina, posso ter dito esta ultima parte com um pouco de ironia. 

Podem ver aqui a notícia em si e outros videos relacionados:
http://sicnoticias.sapo.pt/pais/2014-11-16-Populacao-de-Canelas-exige-regresso-do-padre-Roberto

 

 

Crítica aos Meus

Olá. Aviso desde já que irei ser rígido na minha escrita de hoje, não tenho intenções de desabafar mas sim de gerar um pensamento, uma filosofia que advém de um sentido ao que gosto muito de usar, a visão, ainda que seja míope, nunca deixo de usufruir as minhas capacidades de observação. Mesmo que os olhos não vejam verdades, as verdades só são vistas quando as vemos.

Estou revoltado com a minha e ainda mais recente geração, cada vez custa-me mais defender todos aqueles que me acompanham, argumentar a favor do futuro da sociedade está a tornar-se demasiado complicado e cada vez mais ridículos, como se estivesse a defender um candeeiro sem lâmpada como melhor opção para iluminar um caminho que está a ficar cada vez mais obscuro...

A meu ver, a juventude anda perdida, sem noção do perigo a que estão a ser submetidos, vivem cada dia que passa com grande imaturidade, agindo de forma rebelde somente para se afirmarem como seres "sociais", cometem a maior soberba apenas para obterem fama, sem qualquer interesse na procura da sabedoria, as redes sociais parecem ganhar mais poder que a própria escola, escola esta que é vista como uma obrigação, pois se tratasse de uma opção, creio que poderia haver uma turma em cada estabelecimento de ensino no país. Uma vez que não procuram iluminar-se, tendem a seguir a simples manada, fechados completamente numa realidade totalmente "fabricada", tornando-se criaturas facilmente manipuladas, meros fantoches para aqueles que queiram aproveitar-se.

Ora, estando somente obrigados a ir à escola, sem aplicar-se ou manifestar interesse em aprender, para que é que tivemos a época do iluminismo?! Os nossos antepassados lutaram para uma sociedade melhor, mas parece que quando os direitos são adquiridos, estes são dados com certos e permanentes, quando na realidade são mutáveis, parece que a única coisa que interessa é que chegue sexta feira para ir às discotecas beber o máximo possível, fornicar um corpo humano e estar acordado às tantas da noite a ouvir ruídos, nunca percebi este tamanho desejo promíscuo.

De onde vem esta cegueira? O que se passa com a minha geração onde grande parte só vive o presente sem preparar-se para um futuro que cada vez mais está incerto, como pode estar tão rotinado este comportamento de insucesso? Cada vez menos são aqueles que estão dispostos de arregaçar as mangas e procurarem evoluir, para serem "alguém" na vida.

Se formos analisar, toda esta geração que não procura pensar, não procura sabedoria, não trabalha, vive apenas para festas e para a fama, não lêem, não escrevem, não estudam, não desenham, não treinam, acabam mesmo literalmente por não fazer nada, não percebo como é que esta era tão social não procure ter aptidões para viver em sociedade, acabam mesmo por ser renegados por aquilo que tanto se desenvolveram. Do que vale mesmo ter mais de mil amigos ou seguidores se irão ter um futuro onde tudo isso pouco valerá? Pouco importam essas "conquistas"...

Para terminar, espero que no futuro tenha de engolir um enorme melão e toda a minha geração ser pioneira de um novo iluminismo, espero que todos estes cérebros se liguem finalmente e procurem a mudança (para melhor). Eu ainda tenho esperança, apesar de estar a dissolver-se, ainda tenho esperança.


4.jpg
"Sapere Aude" - Ouse Saber

 

 

 

 

Desgreves

Oláá!! Então?! Então pá?! Desculpem, deixei as minhas emoções levarem a melhor, Irra!! A razão para este meu estado de espírito é simples, tudo se resume a greves. Com todos os respeitos aos trabalhadores que têm todo o seu direito em protestar, mas não deixa de ser chato quando preciso de apanhar um transporte e tal não ser possível.

Como residente da margem sul, eu ando de transportes públicos com muita frequência quer seja na minha cidade ou para ir para Lisboa e, ultimamente, tem havido muitos plenários, perturbações e greves na minha zona. Nada que um bom par de pernas e uns pulmões saudáveis não resolvam!!

O que me tem deixado chateado é o facto de técnicamente existirem essas greves mas literalmente não existirem, avisam as pessoas para se precaverem com a falta de transportes mas no entanto os transportes continuam a circular!! Fico aborrecido porque faço muitas caminhadas que podiam ser evitadas (não me venham com a treta de fazer exercício). Sou completamente apanhado de surpresa, eu também quero ir de autocarro 

Seja como for, as Desgreves vieram para ficar portanto, boas caminhadas para mim, quem precisa de ginásio quando pode disfrutar de desgreves de graça?!!

Demonstra Amor, Pode Ser?

Oláá!! Estou intrigado com a raça humana, sempre fui muito observador de comportamentos da nossa espécie, gosto de enquadrar-me ao certo num mundo tão instável. Sem dúvida a mais clara conclusão que tiro dessas observações é sem dúvida a falta de amor, ou seja, como é muito mais "fácil" odiar em vez de realmente criar amizades.

Com todo o respeito à minha raça, nós conseguimos ser umas valentes bestas quadradas, repelentes uns dos outros. Não gosto muito de tais comportamentos mas, cada vez mais, com a experiência de vida que vou adquirindo, isso é mais evidente.

Muitas são as ocasiões em que estou com amigos meus e ao verem alguém, desconhecido de nossa parte, levam ao julgamento, gozando ou destacando defeitos, podem estar certos ou não sobre essa pessoa, mas porquê partir logo a matar? Será mesmo assim que devemos ver "os outros"?

Quantas vezes já não presenciei amigas minhas a falaram mal sobre alguém, bastando somente uma troca de olhares entre elas e a/o indivídua/o para gerar aquele "cochichar" naquele grupo cor de rosa...

Pergunto-me, para quê? Para quê ser assim? Somos todos raça humana, cada um tal como é, com seus defeitos mas também qualidades, capazes de comunicarmos uns com os outros, somos uma espécie que evoluiu bastante em cooperação, jamais chegaríamos aos dias de hoje se nunca tivéssemos ajudado uns aos outros, tornando-nos na espécie mais poderosa e dominante do planeta. Como conseguimos evoluir tanto em conjunto mas mesmo assim estereotipamos logo aspectos negativos em qualquer pessoa? Questiono-me como é muito mais fácil atirar uma pedra a alguém desconhecido em vez de dar um aperto de mão? Valerá a pena rodearmos de inimigos (ou hatters como dizem hoje em dia) sem nunca termos experiências negativas com esses mesmos quando os podemos ter como nossos "aliados"?

Tudo isto uma vasta panóplia de comportamentos que observo que me levam a tantas questões, talvez faça parte da nossa genética, talvez os tempos de hoje sejam propícios a afastarmos do desconhecido, talvez a compaixão esteja a tornar-se apenas um fenómeno em extinção, talvez apontar um dedo seja mais fácil do que acenar, talvez esteja na hora de começar a haver mais abraços...

Eu sou um mero Blogger que gostava de despertar este problema a ti, leitor/a, posso não ser muito influente nesta cadeia de Blogs, mas vale a pena reflectir sobre o assunto.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D