Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arroz Doce e Canela

Arroz Doce, trata-se de um Blog com o objectivo de ser lido, tal como todos os outros... Mas o que distingue este mero espaço cibernético dos restantes é basicamente o facto do autor ser um bocado, digamos... esquisito... Mas que gosta de vós!!

O Fogo

Parece que tudo não passa de testes de paciência, sempre colocados à prova vamos vivendo com armas na mão sempre preparadas para aleijar alguém. É um mundo de loucos onde vivemos. O problema é termos loucos demasiado românticos em vez de apaixonados. Uns ferem pela sua causa, outros tentam criar algo belo para os outros. Do que vale o sentimento... Do que vale a vontade... Atiram pedras em desertos de altas temperaturas, gritam em coliseus sedentos de morte, torturam em campos de concentração... Destroem a felicidade só por mera vontade... Do que vale formar sociedades repletas de valores e normas se a ética está tresloucada?! O bem e o mal não estão definidos, quando um age como quer e ainda afirma ter liberdade para tal, onde é que pode existir liberdade se esta é só para alguns, se esta é só para aqueles que afirmam ter uma moral melhor que todos? Do que vale chamarmos de sociedade se cada um desrespeita aquilo que ela defende? Encho-me de perguntas quando estas são inúteis para serem respondidas... Do que vale o esforço... A estupidez regula o meu mundo e onde eu vejo as cores da liberdade fortemente defendidas, não passa tudo de uma farsa para aqueles que querem agir como querem sem pensar no próximo, vivemos com armas de guerra, somos condicionados por monstros de enorme traquejo, tornam-nos em fogo... Agora só falta distinguir qual o fogo que aquece e qual o fogo que queima.

José Sócrates é Difícil

Oláá!! Bolas, parece que a polícia portuguesa está super ativa, nunca tinha visto tantos casos com figuras conhecidas portuguesas, sendo o caso mais recente o do nosso Ex-primeiro ministro, José Sócrates. O homem ganhou fama em todo o mundo, ora foi o ministro "mais bem vestido", ora foi o lançador do Magalhães, ora impulsionador de possíveis obras como o aeroporto de Alcochete e ponte Barreiro-Chelas ou até mesmo a grande referência para o aumento de receitas de medicamentos para a dor de cabeça dos portugueses.

Antes que mais quero dizer que estou indignado com o julgamento. Parece que as acusações feitas a Sócrates são de branqueamento de capitais, desvios de dinheiro e corrupção, mas isso já o Zé Povinho estava farto de dizer durante o governo do PS, demorou-se muito tempo e só quando este já não tinha poder é que foi capturado na Pokébola da justiça. Também mais vale tarde do que nunca, só não percebo o alarido todo por algo que já se sabia, parece um daqueles truques de magia óbvios mas que mesmo assim engana alguém.

Mas a verdadeira razão da minha indignação não é a demora em julgar o antigo primeiro ministro pelos tais crimes, não, a minha indignação dirige-se ao facto de ninguém culpar José Sócrates por ter um nome complicado em se dizer na televisão!! É mais do que evidente que ninguém sabe pronunciar o nome do homem!! Raros têm sido os dias em que não oiço na televisão nomes como "zé sócraste", "josé socaste", "josé socas" e até já cheguei a ouvir "josé srocastes". Não pode ser possível, arranjem uma alcunha ou algo do género porque assim a malta não se entende!!

Devo dizer que estou curioso, apesar deste ser daqueles casos que devem demorar 5 anos de julgamento,  para o desenlace da justiça portuguesa, já não era sem tempo de começar a vir ao de cima aqueles responsáveis pelo estado do país. Estou algo surpreendido e satisfeito com a polícia portuguesa, porreiro pá!!!

 

js13.jpg

A personagem principal, a fazer beicinho.

 

Parece um "Sketch"

Epááá!!! Desculpa, enganei-me, Olááá!! Parece que o humor em Portugal está a desenvolver-se, o que é óptimo visto que eu adoro rir e fazer rir também, já não era sem tempo que todos os profissionais no mundo da gargalhada tivessem mais acontecimentos propícios a galhofas num país "simbolixado" por tristeza.

Já lá vai um longo tempo desde que vejo um fenómeno ser retratado nos noticiários com alguma frequência, estou a falar sobre a problemática que existe em Canelas (o plural daquilo que se mete no arroz doce) relativamente à substituição de um padre, a paróquia está revoltada e exige sermões religiosos daquele que já estava lá antes.

Aviso desde já que não sou crente, não sigo nenhuma religião nem defendo nenhuma fé mas respeito aqueles que têm crenças, pois não sou superior a ninguém para menosprezar ou ridicularizar outras filosofias da vida.

Claro que existe um teor de notícia relativamente a este acontecimento em Canelas, mas este estar a ser passado na televisão já à tanto tempo, parece que serve só para encher chouriços. É mais que óbvio que a região de Canelas é extremamente crente, ao ponto de fazer grandes manifestações por um padre. O que fez este senhor para ser substituído? Está castigado por ter recusado a construção de uma estátua junto à sua igreja.

Porque é que acho cómica esta situação? (Porque é que continuo a fazer perguntas a mim mesmo?) Ora estas notícias fazem-me lembrar os tempos do Gato Fedorento, ou até mesmo o Telerural, pois são personagens características, tenho a certeza que se existisse um grupo humorístico famoso a dar em horário nobre da televisão, este tema seria muito bem desenvolvido!!

Eu espero que Canelas, uma cidade com um nome muito apreciado pelo meu Blog, consiga o que quer, visto que é um castigo algo ridículo, mas gostaria um pouco de mais notícias sobre o BES ou da JMF se faz favor, ou até mesmo falarem no jogo espectacular que a seleção de futebol teve contra a argentina, posso ter dito esta ultima parte com um pouco de ironia. 

Podem ver aqui a notícia em si e outros videos relacionados:
http://sicnoticias.sapo.pt/pais/2014-11-16-Populacao-de-Canelas-exige-regresso-do-padre-Roberto

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D