Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arroz Doce e Canela

Arroz Doce, trata-se de um Blog com o objectivo de ser lido, tal como todos os outros... Mas o que distingue este mero espaço cibernético dos restantes é basicamente o facto do autor ser um bocado, digamos... esquisito... Mas que gosta de vós!!

À Cabeçada

Olááá!! Já uma mulher no autocarro da minha humilde terra dizia num conversa com o seu telemóvel (ou smartphone como gosta o povo de dizer nos tempos que correm), "então conta lá Francisca, o que é que te fizeram", antes de mais, não quero que comeces a pensar que sou um bisbilhoteiro, as pessoas é que falam num tom algo elevado e a uma distância socialmente considerável das minhas orelhas, podia estar a ouvir belas melodias no meu Mp3 e mesmo assim não conseguia abafar o som, ora eu de Francisca só tenho o "Francisc", o que até é muito bom, não vejo porquê, mas deve valer alguma coisa, se a mulher for míope, talvez exista aqui alguma química entre nós, mas é provável não haver, às tantas ela chama-se Francisca Esteves. Neste preciso momento voltei a ganhar os sentidos e reparei que acabei de escrever uma quantidade enorme de "nha nha", mas onde é que eu queria chegar com isto tudo?! A sopa que comi devia ter Nabo a a mais, porque acabei de agir como tal, AHAHAHAHAH, ok, isto não teve graça nenhuma, até foi algo triste, desculpa...

Há dias que são simplesmente fenomenais

Já de cara limpa e sobrolho devidamente acariciado saí de casa, a rua estava fria, no ar pairava uma chuva que nem sequer molhava parvos, eu ia todo lançado para o terminal dos barcos, ia lançado porque tive de aturar mais uma greve de autocarros, (acho que já nem posso chamar isto de greves, já se tratam de birras) e estava um pouco atrasado, o que já é suficiente para pensar que irei morrer. Quando tento passar uma passadeira, uma senhora decide fazer uma curva sem parar, se não tivesse dado um salto para trás juntamente com um grito maricas, provavelmente não estaria aqui a escrever. Chateado continuei o meu caminho e logo na próxima passadeira, esperando para passar outra passadeira, outra mulher decide ir toda lançada sem parar, mas desta vez a minha reação foi mais masculina, gritei "porra" e fiz beicinho, tomem lá, embrulhem e guardem como presente para uma festa de anos de um puto chato qualquer. Posto isto pensei, ora ou tornei-me invisível ou o Axe de chocolate atrai fêmeas, mas mesmo à bruta.

Mas felizmente foi um dia normal, portanto, creio que acabou por aqui, adeeeus!! Eu vou à casa de banho mas não se preocupem, eu não vou lavar as mãos, assim não sofro, isto quando se encontram soluções a vida torna-se muito mais simples!!

Olá.

Olá. Desde já começo por pedir desculpa pelas longas esperas que te tenho feito, fiz longos interalos sem intenção na minha escrita, sinceramente, não estive motivado para tal, não porque acho tudo isto desnecessário, mas sim porque a minha veia de escritor (se é isso que me devia chamar), não tem aparecido... Não sei explicar, é doloroso chegar aqui para começar um Post e sair com uma página em branco que nem chega a ser guardada nos rascunhos. Parece que tenho de dizer aquela frase lamechas que todos conhecemos "são fases da vida".

Mais uma vez, peço o teu perdão, não devia ter deixado isto acontecer, irei tentar ser mais consistente no futuro, não é que sejam muitas pessoas e que este Blog seja a ssim tão "socialmente" importante, mas é algo que trato com muito carinho, são coisas de Bloggers, trata-se de mais uma casa.

Mais um ponto a acrescentar, estou super ansioso para o próximo dia 7 de fevereiro, Arroz Doce e Canela irá fazer 1 ano pela primeira vez!! Cá está, a estupidez que procuro. Espero preparar algo diferente para esse dia, até ao próximo Post!

O Céu da Felicidade

Olá. Hoje não irei escrever um textos cómico como te tenho habituado. Não, não estou a passar nenhuma fase má e estou certo que não ando a ser consumido pelo cinzento da tristeza. Simplesmente apetece-me deixar uma reflexão, às vezes dá-me para isto, agradeço por ter um dom suficiente de escrita para puder expressar-me de forma clara (ou mesmo confusa). Chega de justificações, vou direito ao assunto.

Já mencionei aqui a palavra "tristeza", bem, o meu objectivo é escrever do seu antónimo, a tão desejada por muitos, a Felicidade, escrevo com uma inicial maiúscula pois acho mesmo importante para todos nó, encarar o dia com um sorriso e saber que está tudo bem connosco e com os nossos "outros", é um sentimento muito habitual, porém importante, uma lufada de ar fresco para encararmos cada momento com um pouco de mais vivacidade...

Atualmente considero-me diferente, não exibo um lado pessimista sobre tudo o que alcanço, mas também não me sinto superior a nada, apenas sinto-me... diferente. Verdade seja dita, eu não sinto felicidade, acho a felicidade algo muito importante, quando alguém diz que é "feliz", eu acho que precisa de ser algo sentido e não da boca para fora com se tratasse de um rascunho lançado para o lixo. Já fui feliz muitas vezes, mas nunca num ritmo constante, pois a felicidade é um momento.

Por vezes olho para o céu, quando tenho tempo para encarar a vida cara-a-cara, vejo uma enorme harmonia entre tudo aquilo que me tornei e todos os objetivos que tenho de alcançar. Tenho a noção que não sou uma pessoa de sucesso, muito pelo contrário, estou e sou cheio de falhanços.Talvez seja por isso que não digo que sou "feliz" muitas vezes, porque já aprendi o que é ser, de facto, feliz. Espero um dia levantar o meu olhar e conseguir alcançar as nuvens de uma felicidade estável, se tal existir mesmo. Até lá mantenho-me modesto e humilde como sou...

Outros pensamentos de felicidade vão-me surgindo à medida que queimo lentamente o meu rosto com a força do céu, penso se a felicidade será mesmo algo que eu consiga produzir, pergunto-me se o sucesso é algo indispensável, questiono-me se a minha visão do mundo pode estar algo desfocada ou mesmo se simplesmente não dá para ser feliz vivendo só por metade... No meio de uma grande harmonia azul, consegui criar uma tempestade, talvez o céu não seja assim tão equilibrado como pensei, por enquanto vou seguindo pelo chão...

sky-3.jpg

Fig1. Não sou o único a olhar o céu 

 

Transparência

Olá. Quem sou eu? Uma pergunta simples que muitos fazem e respondem com respostas muito limitadas e vazias, como se retratassem de seres planos e sem entusiasmo àquilo a que chamam vida. Eu não fujo ao padrão, não porque não tenho os ingredientes para cozinhar a minha refeição, mas sim porque não me oriento numa direcção onde consigo concluir a resposta. Porém perco imenso tempo a debruçar-me à volta dessas 3 palavras de interrogação, bem que já tentei facilitar ao máximo, mas o resultado nunca me satisfez, como posso eu e outros facilitarem este problema complexo, podem ser escritos livros para descobrirmos quem realmente somos, onde todas as tintas que carregamos ficam registadas e nos tornamos transparentes, de nada serve uma simples palavra, não nos estamos a vender, estamos a dar-nos a conhecer.

Quanto a mim, posso dizer que não sou uma "pessoa ideal". Não sou ideal em nenhum universo. Tenho falhas, muitas delas até. Não sou um produto de excelência da sociedade, não sou um exemplo para ninguém, não sou um motivo de orgulho. Não me tomem por pessimista, eu apenas não sou de agradar aqueles que exigem ser agradados. Prefiro ser honesto comigo do que carregar máscaras para tapar o verdadeiro rosto do Sol que todos vêem.

Já cantei muito o fado, verdade seja dita, o mundo já perdeu todas as suas cores à minha frente, estive desligado no lado escuro, mas mudei de vida, pintei de novo o meu horizonte, o fado é lindo, mas para ser cantado e ouvido, não para ser guardado e sofrido, preferi voltar à dança e soltar-me de todas as âncoras. Para deixar aqui uma linha, não apanhei tudo o que há de mau para se pescar, o meu problema foi somente um, ter o coração distante da cabeça, é o problema quando fugimos demasiado da realidade, esta volta e deixa uma nódoa bem marcada. A dor que esta me deixou foi algo forte, andei devagar pelas ruas, tudo à minha volta eram sussurros, os meus olhos desesperavam por estar a ver a verdade. Começava os dias cansado e acabava-os a fraquejar.

Felizmente sou algo diferente, graças aos meus amigos, graças a mim, não sei se estou melhor mas sei que me sinto bem, o sol sorri para mim e sinto-me forte para enfrentar qualquer obstáculo. Quem sou eu? Não posso fazer esta pergunta pois é um oceano sem terra à vista, fico sempre à deriva. Sempre que surge tal ponto de interrogação lembro-me da fase negra, de algo que já fui, mas não quem realmente sou...

Talvez a razão para tal seja simples, talvez seja por não me querer moldar em algo pré-definido, talvez não tenho capacidade para responder, a única certeza que sei é que estou a viver cada dia fazendo de mim quem sou hoje, não quero ser nenhum herói, não estou aqui para salvar o mundo, porém não sei se preciso ou não de ser salvo, quem eu sou parece não importar muito... Por enquanto basta encarar o mundo com bons olhos e saber que qualquer dia pode ser aquilo que vem-nos à memória como uma frase batida:

"Hoje é o primeiro dia do resto da tua vida" - Sérgio Godinho

Prendas de Natal (video)

Olááá!! Eu sei que estou uns dias atrasado para escrever sobre este tema e que tudo isto já está muito fora de contexto, o pessoal quer é festejar passagens de anos e comprar ceroulas nos saldos, eu sei! Mas não podia deixar de partilhar as minhas prendas de natal as todos os leitores.

Já agora vamos contar as vezes que aparece a expressão "dá sempre jeito".

 

 

 

 

Feliz Greve 2!! VIDEO

Olááá!!! Sou eu outra vez!! A vida não é uma coisa engraçada? Depois de estar tão feliz com o dia de greve, ainda fui recompensado com um lugar de destaque! Infelizmente não é o destaque no sapo (mas um dia vou voltar a aparecer lá), é da Sic Notícias!!! Fiquei estupefacto quando me avisaram e quando vi com os meus próprios olhos nem acreditei, senti-me um George Cloney das greves nacionais!! Ou um Vitor Hugo Cardinali da ramboia grevista!!

Vejam por vocês mesmos, não poderia deixar escapar esta, eu sou o jovem de sobrancelha arrebitada 

 

Quem Somos Realmente?

Olá. Para cada reflexão procura-se sempre uma resposta, sendo ela realizável ou não, queremos sempre uma resposta. O nosso pensamento pode ser um modo de fuga, um escape da realidade ou uma âncora que nos prende demais à gravidade do peso da vida. Pensar nunca é em vão. Pensar molda-nos e molda-os.

Não sou excepção, por vezes decido pairar na minha mente e nas estantes procuro um problema e tento simplifica-lo ou mesmo chegar a uma conclusão e enquanto penso o que será da Humanidade, surge um espelho à minha frente onde consigo ver uma reflexão exacta daquilo que sou e nisto surge uma pergunta, "quem sou eu?". Não se trata de amnésia pura, pois tenho a noção da minha identidade, mas de certa forma não sinto genuidade naquilo que vejo, é um sensação estranha.

Sei que, individualmente, só me desenvolvi a nível físico, tudo o resto com com influência ou ajuda de alguém. É assim com toda a gente, não sou nenhum caso especial. Mas isso deixa-me a meditar, como podem exigir de mim originalidade se não passo de uma mistura de valores e mentalidades que me foram impostas? Sei que não existe ninguém como eu, mas mesmo assim não me sinto genuíno.

Felizmente mantenho a calma, tudo à minha volta é resultado de cruzamentos, tenho noção disso. Começo a pensar quem é que me transformou naquilo que sou... "Família e Amigos" são as primeiras coisas que me vêm à cabeça, mas depois surgem "Filmes, Séries, Jogos, Marcas" todos estes e muitos mais criaram esta pessoa que agora escreve num ritmo filosofal. É incrível como estamos tão controlados pela sociedade. Eles conseguem fazer-nos naquilo que bem entenderem sem darmos por tal, isso deixa em mim algum receio...  "Serei mesmo eu aquilo que penso que sou?"

No entanto, não me arrependo de nada e, sinceramente, agradeço por me terem moldado desta forma. Sou feliz como sou, ou estarei iludido a pensar desta forma... Mas nada temo, sei que o tempo deixa-me experiência para seguir aquilo que desejo ser e alcançar, apenas tenho de me manter informado e não deixar-me levar por outros que desejam transformar-me para proveito próprio. Custa-me acreditar mas sei que se trata de uma grande verdade. Vivemos na palma da mão da Sociedade e assim será sempre, com valores e normas a cumprir, podemos escolher o nosso caminho mas Eles deixam os limites definidos.

Agradeço a todos que me fizeram naquilo que sou hoje, sei que não caminho sozinho e que estarão a acompanhar-me até ao fim.

Como Estoirar a Paciência

Olááá!! Estava eu aqui a passar uma noite de sábado quando pensei que devia aproveitar este tempinho para deixar mais coisas giras no meu Blog, o arroz doce e canela mais desejados dos portugueses!! Agora parecia que estava a fazer um anúncio do Pingo Doce... Nem sei se eles vendem arroz doce por lá... Mas mesmo assim acho que um arroz doce caseiro é sempre mais delicioso... Chega de conversa de treta, não me deixes divagar desta maneira!!

Como já deves ter visto pelo título (a não ser que sejas daquelas pessoas que não lêem os títulos), foi falar de uma situação que me levou até às pontas do cabelo, momentos estes que ocorreram durante, podem tocar os tambores, transportes públicooos!! Ai, como eu adoro escrever sobre este tópico, parece que nunca fica velho, há sempre algo novo para partilhar.

A minha paciência entrou em ebulição em 2 transportes diferentes: no barco e no autocarro. A viagem do barco foi apenas o ligar do forno, não tenho muito para especificar, um bebé não parava de chorar e fazer birras com os decibéis mais altos possíveis. Qualquer pessoa, sendo esta muito paciente, perde uns quantos parafusos com 20 minutos a ouvir um bebé a fazer "bebézisses", é mais que óbvio que no fim da viagem os meus pensamentos homicidas já estavam altamente desenvolvidos e prontos a ser postos em prática, mas mesmo assim o Hulk conseguiu manter a calma. Não vou conseguir ver anúncios da johnson and johnsons durante muito tempo!!

Com a minha sanidade algo instável, dirigi-me para o autocarro rumo ao meu lar doce lar, felizmente arranjei um lugar para me sentar (mal sabia eu o que estava para vir). Quando a limousine do povo decide arrancar, a pessoa que estava à minha frente chama uma amiga e o início da conversa serviu para meter-me à prova, vou transcrever esta comunicação, sim, lembro-me de tudo, vamos supor que as criaturas chamam-se Totó e Pipi:

"Totó - Olááá, apanhas-te este autocarro?
Pipi - Sim, apanhei este autocarro.
Totó - Então, estás boa?
Pipi - Sim, estou boa, temos de combinar alguma coisa.
Totó - Temos de combinar alguma coisa?
Pipi - Sim, temos. Ainda estás a trabalhar?
Totó - Sim, ainda estou a trabalhar.
Pipi - Eu tenho de sair nesta paragem, adeus
Totó - Adeus adeus
Pipi - Adeeeeus"

Mesmo que a conversa tenha sido curta, cum caroço, custou imenso!! Eu só não dei cabeçadas no vidro porque não estava à janela, ainda oiço as vozes delas na minha cabeça, aaaah, malditas!! 

 

 

 

 

Desgreves

Oláá!! Então?! Então pá?! Desculpem, deixei as minhas emoções levarem a melhor, Irra!! A razão para este meu estado de espírito é simples, tudo se resume a greves. Com todos os respeitos aos trabalhadores que têm todo o seu direito em protestar, mas não deixa de ser chato quando preciso de apanhar um transporte e tal não ser possível.

Como residente da margem sul, eu ando de transportes públicos com muita frequência quer seja na minha cidade ou para ir para Lisboa e, ultimamente, tem havido muitos plenários, perturbações e greves na minha zona. Nada que um bom par de pernas e uns pulmões saudáveis não resolvam!!

O que me tem deixado chateado é o facto de técnicamente existirem essas greves mas literalmente não existirem, avisam as pessoas para se precaverem com a falta de transportes mas no entanto os transportes continuam a circular!! Fico aborrecido porque faço muitas caminhadas que podiam ser evitadas (não me venham com a treta de fazer exercício). Sou completamente apanhado de surpresa, eu também quero ir de autocarro 

Seja como for, as Desgreves vieram para ficar portanto, boas caminhadas para mim, quem precisa de ginásio quando pode disfrutar de desgreves de graça?!!

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D