Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arroz Doce e Canela

Arroz Doce, trata-se de um Blog com o objectivo de ser lido, tal como todos os outros... Mas o que distingue este mero espaço cibernético dos restantes é basicamente o facto do autor ser um bocado, digamos... esquisito... Mas que gosta de vós!!

Transparência

Olá. Quem sou eu? Uma pergunta simples que muitos fazem e respondem com respostas muito limitadas e vazias, como se retratassem de seres planos e sem entusiasmo àquilo a que chamam vida. Eu não fujo ao padrão, não porque não tenho os ingredientes para cozinhar a minha refeição, mas sim porque não me oriento numa direcção onde consigo concluir a resposta. Porém perco imenso tempo a debruçar-me à volta dessas 3 palavras de interrogação, bem que já tentei facilitar ao máximo, mas o resultado nunca me satisfez, como posso eu e outros facilitarem este problema complexo, podem ser escritos livros para descobrirmos quem realmente somos, onde todas as tintas que carregamos ficam registadas e nos tornamos transparentes, de nada serve uma simples palavra, não nos estamos a vender, estamos a dar-nos a conhecer.

Quanto a mim, posso dizer que não sou uma "pessoa ideal". Não sou ideal em nenhum universo. Tenho falhas, muitas delas até. Não sou um produto de excelência da sociedade, não sou um exemplo para ninguém, não sou um motivo de orgulho. Não me tomem por pessimista, eu apenas não sou de agradar aqueles que exigem ser agradados. Prefiro ser honesto comigo do que carregar máscaras para tapar o verdadeiro rosto do Sol que todos vêem.

Já cantei muito o fado, verdade seja dita, o mundo já perdeu todas as suas cores à minha frente, estive desligado no lado escuro, mas mudei de vida, pintei de novo o meu horizonte, o fado é lindo, mas para ser cantado e ouvido, não para ser guardado e sofrido, preferi voltar à dança e soltar-me de todas as âncoras. Para deixar aqui uma linha, não apanhei tudo o que há de mau para se pescar, o meu problema foi somente um, ter o coração distante da cabeça, é o problema quando fugimos demasiado da realidade, esta volta e deixa uma nódoa bem marcada. A dor que esta me deixou foi algo forte, andei devagar pelas ruas, tudo à minha volta eram sussurros, os meus olhos desesperavam por estar a ver a verdade. Começava os dias cansado e acabava-os a fraquejar.

Felizmente sou algo diferente, graças aos meus amigos, graças a mim, não sei se estou melhor mas sei que me sinto bem, o sol sorri para mim e sinto-me forte para enfrentar qualquer obstáculo. Quem sou eu? Não posso fazer esta pergunta pois é um oceano sem terra à vista, fico sempre à deriva. Sempre que surge tal ponto de interrogação lembro-me da fase negra, de algo que já fui, mas não quem realmente sou...

Talvez a razão para tal seja simples, talvez seja por não me querer moldar em algo pré-definido, talvez não tenho capacidade para responder, a única certeza que sei é que estou a viver cada dia fazendo de mim quem sou hoje, não quero ser nenhum herói, não estou aqui para salvar o mundo, porém não sei se preciso ou não de ser salvo, quem eu sou parece não importar muito... Por enquanto basta encarar o mundo com bons olhos e saber que qualquer dia pode ser aquilo que vem-nos à memória como uma frase batida:

"Hoje é o primeiro dia do resto da tua vida" - Sérgio Godinho

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D